O Amigo ou o Psicólogo?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

 

Há uma infinidade de momentos na vida em que buscamos os amigos seja para rir, esclarecer uma dúvida, compartilhar uma experiência positiva ou negativa, para chorar em seu ombro.

W

Mas há momentos em que tal ajuda gera mais dúvida, mais angústia acerca da situação que se está enfrentando e aí, não raro são os próprios amigos que sugerem:”Você devia procurar ajuda de um psicólogo.”

E muitas vezes é assim que tais pessoas cogitam a possibilidade de recorrer a um profissional. Quando o falar por si só não gera alteração entre pensamento-comportamento. O amigo ouve mas parte da sua própria experiência para dar a solução e como não tem treinamento específico comete o “erro” de fazer julgamento moral, de dizer o quê e como tem que ser feito e assim lá vai o amigo tecendo suas verdades sobre o que o mesmo acha que você deveria fazer.

Quando se busca ajuda profissional para falar da dor que aflige a alma, se busca um campo onde não há julgamento moral, onde não há expectativas a serem preenchidas e onde o sigilo é a garantia que tudo o que foi dito ficará ali naquela sala. Essa é uma das diferenças mais notórias quando deixamos o amigo e buscamos por um profissional.

O terapeuta é um indivíduo que demarca a sua atuação pautado em instrumentos, técnicas e teorias que pensam o homem em um contexto multi determinado, é um profissional treinado para lidar com as questões “exclusivamente” humanas como os pensamentos, emoções, sofrimento, angústia e tudo que possa acometer a mente em suas várias expressões e nuances. Então quando devemos procurar por uma ajuda profissional?

Quando entramos em um ciclo vicioso de repetição e padronização de ideias e comportamentos. Sabe aquele momento onde você senta com o seu amigo chora, se desespera, entende o que deve ser feito para mudar promete que vai mudar, que aquela foi a última vez que você fez isso ou aquilo. Mas quando vai para a casa, bate aquela sensação de que você não vai conseguir e você se vê fazendo as mesmas coisas da mesma forma?

Este é o momento de buscar ajuda especializada, de acreditar nas mudanças que virão, de por um basta na repetição que mais te aprisiona que liberta. Se você está se sentindo assim procure por um profissional de psicologia de sua confiança e prepare-se porque mudanças serão edificadoras na sua vida.

 

Dra. Rosane Santos.

(Fonte: Psique – Dani Souza)