Inconsciente comanda nossas decisões

Tempo de leitura: 2 minutos

Cérebro

Subliminar é o termo para qualificar ações, informações e sentimentos que ocorrem abaixo do limite da consciência e é também o título do novo livro do físico americano Leonard Mlodinow.

‘Nossos julgamentos são afetados por sentimentos que não percebemos
Opinião: ‘Escreveu, não leu…’

Nesse novo best-seller, o autor de “O Andar do Bêbado” reúne pesquisas para atestar que até as escolhas e decisões que nos parecem mais objetivas são forjadas no inconsciente.

 Mais que isso, ele incita o leitor a dar mais crédito aos pressentimentos que surgem do “lado escuro da mente”. 

“Ex” lado escuro, melhor dizer. Na visão do físico, as tecnologias que permitem o mapeamento do cérebro –vivo e em funcionamento– estão mudando a compreensão sobre a atividade que ocorre abaixo da consciência.

A existência de uma vida inconsciente paralela e poderosa não é novidade há mais de um século. A novidade é que agora ela pode ser medida “com algum grau de precisão”, como diz Mlodinow, que vê aí uma nova “ciência do inconsciente”.

Para a maioria dos mortais, é difícil admitir que o inconsciente está no comando. “Somos tão frágeis que precisamos inventar justificativas lógicas para as escolhas”, afirma o analista junguiano Roberto Gambini, de São Paulo.

“O melhor é aceitar que o consciente é permeado pelo inconsciente. E haverá sempre uma parte que vai permanecer misteriosa. Nem toda a tecnologia é capaz de mudar isso. Mas é possível diluir essas fronteiras e colocar essa capacidade de perceber o subliminar a nosso favor, quando prestamos atenção aos sonhos ou dedicamos um tempo para meditar.”

PALPITES

Cientistas que dirigem as pesquisas de ponta consideram que o “novo inconsciente” é totalmente enraizado em funções orgânicas e essa seria a chave para compreender as emoções humanas.

Não há consenso sobre isso, naturalmente: “É absurdo pensar que entender as funções cerebrais é suficiente para lidar com os sentimentos”, diz Lídia Aratangy, psicanalista formada em biologia médica.

Em um ponto os “psis” e o físico concordam: “O inconsciente é otimista”, diz Mlodinow. “Ele nos torna mais completos e aptos para seguir na evolução da consciência”, acredita Gambini. Aratangy completa: “Reconhecer os palpites do inconsciente pode nos ajudar a fazer escolhas melhores”.

Três Cérebros

Dra. Rosane Santos.

(Fonte: Folha de S.Paulo / Equilíbrio e Saúde. Colaboração de Liliane Oraggio – Ilustração: Editoria de Arte/Folhapress)